Sexta, 04 de maio de 2012, 15h33
Respeito ao idoso é tema de formação para os coordenadores pedagógicos da rede municipal de ensino

Tharyana Durigon - 3645-6578


Preocupada em inserir nas escolas da rede municipal de ensino um trabalho referente às pessoas idosas, e em cumprimento à Lei nº 8.842, a equipe da coordenadoria de formação da Secretaria Municipal de Educação (SME) implanta, a partir deste mês, a formação voltada à Política Nacional do Idoso.

Nesta sexta-feira, foi realizado o primeiro encontro deste trabalho, nas Faculdades Evangélicas Cantares de Salomão (FEICS), que contou com a presença da secretária adjunta de Educação, Cilene Antunes Maciel; e da diretora de ensino, Elenir Honório do Amaral; além do coordenador de formação, José Ferraz. A principal atração da reunião foi a palestra “Política Nacional do Idoso”, ministrada pelo professor Márcio Tadeu Magalhães, que foi presidente do Conselho Estadual do Idoso por 12 anos.

Esta iniciativa tem como público alvo os coordenadores pedagógicos das creches e escolas municipais, que serão os responsáveis, junto aos docentes e às Técnicas de Desenvolvimento Infantil (TDIs), pelo desenvolvimento de atividades no meio pedagógico, destinadas ao entendimento e aceitação do que é envelhecer, além de sensibilizar as crianças sobre a importância do respeito aos mais velhos, ensinando também os direitos cabíveis àqueles que têm acima de 65 anos.

“Eu entendo que para se ter cidadania você tem que trabalhar e conviver no coletivo. E o idoso faz parte desse coletivo, faz parte da nossa família, está dentro de todos os lugares que transitamos. Esse trabalho, eu acredito que é um resgate à educação, à cultura e à cidadania”, destaca a secretária adjunta.

Esta capacitação realizada com os coordenadores acontecerá ao longo do ano em cinco encontros, para que eles estejam em constante atualização, aprimorando as técnicas e o conhecimento acerca do tema e, com isso, melhorar cada vez mais o trabalho com as crianças. Ferraz explica que “a intenção é fazer com que as crianças possam, desde cedo, serem instruídas a respeitar o idoso.”

Mesmo que o trabalho de formação sobre esta questão tenha tomado forma neste ano, a idéia e a preocupação com o respeito pelo próximo, incluindo o idoso, já era colocada em prática em algumas escolas.

“Na nossa escola, este trabalho já faz parte do nosso currículo, dentro do Projeto Político Pedagógico (PPP). Uma das vertentes deste projeto é o ‘conviver com as diferenças’. Se o aluno aprende a conviver com as diferenças, os idosos e a velhice também se incluem nessa convivência. Na nossa escola, no início do ano, os idosos são convidados a fazer pequenos relatos de como era sua infância na escola. Assim, nós construímos, ao longo do ano letivo, um estudo do que mudou dos tempos antigos para os tempos atuais dentro do meio pedagógico. As crianças aprendem a valorizar o que os idosos têm a dizer, o que fazem e o que são”, conta a coordenadora pedagógica, Antônia Corsina, da Escola Municipal de Educação Básica (EMEB) Quintino Pereira de Freitas.

Magalhães explicou aos educadores que as pessoas se recusam a assumir o envelhecimento, mesmo biológico, fomentando o fato de que essa visão pode ser mudada se isso começar a ser trabalhado desde cedo; ressaltando, ainda, a necessidade da auto-análise, ou seja, cada um observar como enxerga o processo do envelhecimento, fazendo os seguintes questionamentos: “Como eu encaro a velhice?”, “Tenho medo de envelhecer?”. A partir do momento em que o adulto aprende a lidar com esta questão com naturalidade, ficará mais fácil trabalhar o assunto com as crianças. “Em menos de 10 anos, 20% da população será idosa. As crianças que estão conosco, hoje, irão conviver com muitas pessoas velhas. É preciso que as crianças entendam que envelhecer é um privilégio”.

Este encontro também serviu para que as coordenadoras pedagógicas se atentem para a importância de alertar as crianças no sentido de que nem todo idoso é confiável. “É preciso que vocês expliquem às crianças não só a importância de se respeitar os mais velhos, mas chamar a atenção delas para o fato de que não é aconselhável se aproximar de pessoas desconhecidas, mesmo que esta seja um idoso e mereça respeito. É preciso estabelecer esta diferença entre respeito e confiança.”, ressalta Elenir.

A abertura do evento contou também com a apresentação cultural da professora de Artes da EMEB Liberdade, Érika de Souza Luz, que encantou o público com sua voz, cantando duas canções.


Fonte: Prefeitura de Cuiabá
Visite o website: https://www.cuiaba.mt.gov.br/