Quinta, 05 de agosto de 2010, 14h35
A- |  A+

Mobilidade Urbana

Projeto Faixa Verde é opção para discriminados no mercado de trabalho


Foto:Otmar de Oliveira/PMC

Clique para ampliar

Juarez de Almeida, 41, entrou para o projeto Faixa Verde depois de várias tentativas em conseguir um emprego no mercado formal em Cuiabá. Há um ano e dois meses como “Verdinho” ele não pensa em deixar a atividade que lhe garante todos os direitos trabalhistas. “Depois dos 40 é difícil conseguir um emprego com carteira assinada”, observa o morador do bairro Verdão, que vive na capital há 30 anos, após sair da cidade natal, Diamantino, no interior do Estado. Ele é uma das 75 pessoas que atuam no Projeto Faixa Verde, na capital.

Criado pela Lei Municipal 4.902/06, há quatro anos, o projeto beneficia trabalhadores que têm dificuldade de serem absorvidos pelo mercado de trabalho. Administrado pelo Clube de Diretores Lojistas (CDL), o programa emprega pessoas entre 18 e 21 anos e  acima de 40 anos. Segundo a coordenadora Ana Maria Ribeiro Pedroso, são jovens que têm dificuldades em conseguir o primeiro emprego, por falta de experiência, e aquelas pessoas que são discriminadas pela idade, como as que estão nas faixas dos 40, 50  e 60 anos.

Outro beneficiado pelo projeto é Damião da Silva Ferreira, 43, que tem na renda salarial de R$ 570,00 um complemento para sustentar a família. Pai de dois filhos, o morador do bairro Doutor Fábio trabalha como garçom em eventos na capital, função que só é possível desenvolver porque a carga horária da atividade como “Verdinho” não atrapalha. “Durante o dia eu trabalho nas ruas e à noite nos eventos”, conta o trabalhador.

Já para o jovem Paulo Bruno Marques Souza Silva, de 18 anos, além de proporcionar a segurança da carteira assinada, o projeto lhe garante um ponto no currículo. Depois de passar por dois empregos informais em uma lanchonete e um lava-jato, Paulo se sente mais seguro no novo emprego onde atua há quatro meses. “No futuro, para mim será importante constar no meu currículo que trabalhei no projeto”, afirma o garoto.

Rotatividade e organização:

Para a coordenadora, Ana Maria Ribeiro Pedroso, a rotatividade de veículos nas ruas do Centro de Cuiabá proporcionada pelo projeto Faixa Verde, colabora com comerciantes e os clientes do comércio da capital. “Onde não há o estacionamento regulamentado as pessoas chegam de manhã, estacionam seus carros e só voltam para retirá-los no final da tarde. Assim, as pessoas que precisam fazer suas compras ficam impedidas de estacionar na rua onde não tem a faixa verde”, explica a coordenadora.

A organização que o projeto proporciona nas ruas do Centro da cidade é elogiada pelos motoristas que utilizam o cartão vendido pelos “Verdinhos”. É o que confirma o autônomo Francisco Gomes, que sempre estaciona seu carro nas ruas centrais para ir ao banco ou fazer compras. “É melhor ter esse serviço que é revertido para as pessoas que precisam do que deixar por conta daqueles que ficam explorando os motoristas e não sabemos o que fazem com o dinheiro”, disse se referindo aos “pedintes” que cobram irregularmente pelo estacionamento em ruas onde não existe a faixa verde.

Enviar Matéria Imprimir Voltar

Praça Alencastro, nº 158 - Centro

CEP: 78005-906

Telefone:(65) 3645-6263/6039 (Recepção)

© 2017 - Todos os direitos reservados - Prefeitura de Cuiabá